Subscribe

Encontre-nos nas Redes

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Reforma da Previdência?



Meirelles diz acreditar na aprovação da reforma da Previdência ainda este ano
  • 31/10/2017 16h30
  • Brasília
Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil





 
Brasília - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, participa de audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse acreditar que a reforma da Previdência seja aprovada ainda este ano. Alertou que é necessário que se tenha cuidado para não prejudicar o próximo governo, caso a solução a ser encontrada implique em uma reforma mais enxuta do que a defendida pela equipe econômica. A declaração foi dada nesta terça-feira (31) durante audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

“Acredito que sim, existe a possibilidade de aprovar ainda este ano a reforma da Previdência. Inclusive eu costumo dizer aos líderes de partidos políticos que se eles têm a interesse de estar no governo depois das próximas eleições, que então têm de torcer pela aprovação da reforma porque a pior coisa que pode acontecer para o próximo governo é ter de enfrentar como primeiro desafio a reforma da Previdência”, disse.

Meirelles disse que seré necessário alguns cuidados, caso se chegue a um acordo por uma versão mais enxuta da reforma. “Tem de ver que redução é essa. Tudo na questão fiscal se resume a números e a direitos das pessoas. Um projeto que inicialmente previa um benefício fiscal de quase R$ 600 bilhões tem nesse projeto final aprovado pela comissão especial uma previsão de benefício de 75% do valor original proposto”, disse.

“Se for menor, tem de ver o quão menor para não ter de ser complementado por outros projetos ou outro governo. Do ponto de vista do direito, é que todos tenham segurança de que vão receber a aposentadoria sem riscos”, acrescentou.

Edição: Fernando Fraga

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Concessão da Ceagesp



Governo de São Paulo abre chamamento público para concessão do Ceagesp





O Governo de São Paulo publicou no Diário Oficial do Estado da última sexta-feira (6) o edital de chamamento público para a modelagem da licitação e o estudo de alternativa de localização do novo Ceagesp. O objetivo é que a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo tenha melhor facilidade de acesso e de distribuição dos produtos comercializados no local.

As empresas que participarem da concorrência deverão procurar áreas próximas ao Rodoanel Mário Covas com acessos já existente, visando a facilitação da distribuição dos produtos comercializados no Novo Centro de Abastecimento Alimentar (Novo Ceasa). Atualmente, o Ceagesp é localizado na Lapa e chega a receber sete milhões de toneladas de alimentos por ano.


 As empresas deverão entregar estudos de construção, implantação, modelagem operacional, econômico-financeira e jurídica do empreendimento. Poderão participar consultorias, agentes financiadores, futuros concorrentes à operação e demais interessados no projeto. O prazo será de 60 dias para entrega das propostas e outros 60 dias para a avaliação das sugestões afim de chegar em uma modelagem final. Os autores responsáveis pela proposta escolhida, serão ressarcidos pelo futuro concessionário em até R$ 2,5 milhões.

Para participar os interessados deverão solicitar ao Governo de São Paulo a autorização em até 15 dias contando da data de publicação do edital do chamamento. O órgão estadual terá até cinco dias para publicar a lista de participantes aprovados.
Por Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb

sábado, 23 de setembro de 2017

O governo recuando



Caixa reduz para 50% limite para financiamento de imóveis usados
  • 23/09/2017 10h07
  • Brasília
Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil


 A redução no financiamento de imóveis usados vale para todas as modalidadesArquivo/Wilson Dias/Agência Brasil




A partir desta segunda-feira (25), os mutuários terão mais dificuldade em financiar a compra de imóveis usados. A Caixa Econômica Federal reduziu para 50% do valor do imóvel o limite máximo de financiamento. Atualmente, os clientes poderiam financiar até 60% ou 70% do montante dependendo do tipo de linha de crédito contratada.

A redução vale para todas as modalidades, como Minha Casa Minha Vida, empréstimos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (que usa recursos da poupança).

Em nota divulgada na noite dessa sexta-feira (22), o banco informou que o novo limite vigorará para as futuras operações de crédito. As propostas em análise entregues até esta semana continuarão a operar sob os limites antigos, caso o empréstimo seja liberado.

Responsável por 70% do crédito imobiliário no país, a Caixa informou que a redução dos limites ajusta o capital disponível da instituição financeira às condições do setor, cujo volume de crédito está crescendo neste ano. De maio a julho, o valor das concessões de financiamentos com juros regulados – como os imobiliários – somou R$ 2,4 bilhões, alta de 24% em relação ao trimestre anterior (fevereiro a abril).

Imóveis novos
Num cenário de crescimento da demanda por crédito em meio a um capital limitado, a Caixa está dando prioridade aos financiamentos para a aquisição de imóveis novos. Em agosto, o banco tinha reduzido de 90% para 80% do valor da unidade o teto para a compra de imóveis novos e de 90% para 60% ou 70% o limite para a compra de imóveis usados.

Em maio, a Caixa tinha suspendido para o restante do ano a linha pró-cotista FGTS, que usa recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para o financiamento de unidades de até R$ 950 mil e cobra juros de até 8,66% ao ano de trabalhadores com carteira assinada.

O banco alegou falta de recursos e informou que a linha – a segunda mais barata depois do Minha Casa, Minha Vida – só será retomada em 2018.
Edição: Armando Cardoso